Imprima o conteúdo

Mulheres Instruidas Protegem-se

 

Autor: José Robério Araújo Barbosa e Nicelma Sampaio

Instituição: Federação das Mulheres de Sergipe - FMSE

UF: SE

Email: nisampaio@yahoo.com.br

Categoria: Mulheres e DST/HIV/aids

 

Resumo

Introdução:

Nos mais recentes estudos sobre a epidemia de Aids

em nosso país, foi verificado que está ocorrendo uma

feminilização da Aids, principalmente entre as

mulheres casada, boa parte desta porcentagem estar

diretamente ligada a falta de informação adequada,

muito já foi feito para diminuir o avanço da epidemia,

mas é necessário ampliar cada vez mais o acesso à

informação para todas as mulheres.

Objetivos:

Este Projeto tem como objetivo dimensionar e

qualificar os resultados das informações de saúde

junto às mulheres e seus familiares, assim como da

necessidade de proteção quanto ao sexo seguro e

responsável, tendo como parâmentro de trabalho

uma maior habilidade, conhecimento e a importância

sobre uso correto dos preservativos e uma maior

conscientização da procura dos serviços locais de

saúde para realização de exames de rotina.

Método:

Através de visitas domiciliares, palestras dentro das

comunidades (escolas, centro social, sede da própria

entidade), distribuição e conscientização do uso

consistente de preservativo ("camisinha masculina e

da feminina"), promoção de debate sobre o tema

DST´s / aids e a participação destas comunidades em

passeatas e ato público - a informação é a melhor

forma de prevenção.

Resultados:

As mulheres atendidas pelo Projeto, terão acesso a

informação sobre prevenção, transmissão e sintomas

causados pelas infecções das DST´s/HIV/Aids, assim

como habilidade, conhecimento e a importância sobre

uso correto dos preservativos e uma maior

conscientização da procura dos serviços locais de

saúde para realização de exames de rotina.

Conclusão:

É de suma importância que projetos desta natureza

seja implementados para que possamos estimular a

mudança de comportamento de risco, principalmente

das mulheres, e desta forma buscar adotar práticas

sexuais mais seguras.A nossa Ong (FMSE) já

desenvolve este trabalho

.